Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) cerca de 80% dos adultos experimentará o incômodo da dor nas costas ao menos uma vez na vida. Ter dor nas costas é algo comum e afeta mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo.

Sentir dor nas costas também é uma das principais causas de incapacitação e dias de trabalho perdidos no mundo.

Fatores de risco como sentar por longos períodos sem pausas, não cuidar da postura, não procurar ajuda especializada e o sedentarismo, podem contribuir para o desenvolvimento das inconvenientes dores nas costas.

Dor nas costas mostra associação significativa com a mortalidade entre mulheres mais velhas, de acordo com um estudo recentemente publicado no Journal of General Internal Medicine.


"Muitas dessas associações foram mediadas pela deficiência. O estudo é o primeiro a medir o impacto da dor nas costas persistente e frequente ao longo do tempo sobre a mortalidade (14 anos). Os pesquisadores também descobriram que a incapacidade medida após a dor nas costas ajudou a explicar a associação."

"Os cientistas perguntaram sobre os participantes e observaram suas atividades cotidianas, notando como a dor nas costas trouxe dificuldades para a realização de tarefas como caminhar, preparar refeições ou fazer movimentos repetitivos."

"As mulheres com freqüente dor lombar persistente apresentaram maior risco de mortalidade por todas as causas, como por exemplo, a mortalidade cardiovascular e mortalidade por câncer."

"Das 8321 mulheres 56% (4659) morreram durante um acompanhamento médio de 14,1 anos."

"Das mulheres que morreram 65% (3028) tinham dor lombar persistente e frequente."

"As mulheres com dor lombar persistente frequentemente tinham um risco mais elevado de todas as causas (cardiovasculares e mortalidade por câncer)."

"As limitações das atividades de vida diárias (AVDs) representaram 47% do efeito da dor frequente e persistente na mortalidade por todas as causas."

"A dor nas costas pode prejudicar diretamente as atividades diárias, e os idosos evitam a dor de forma inadequada, devido ao medo de uma nova lesão ou agravamento dos sintomas. Ser incapaz de realizar ou evitar atividades diárias pode levar ao ganho de peso, desenvolvimento ou progressão de outras doenças crônicas; condições de saúde e, finalmente, a morte prematura, diz Roseen um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo."

"Estes resultados lançam as bases para futuros estudos para avaliar o impacto em longo prazo dos tratamentos da dor nas costas e estratégias de autocuidado. É muito importante avaliar a função física dos idosos com dor nas costas e recomendar um tratamento baseado em diretrizes eficazes e confiáveis, que encorajarão o uso de tratamentos mais seguro, menos invasivos, sem remédio ou cirurgia."

Esse estudo levanta a grande questão: qual o melhor tratamento da dor nas costas ao longo da vida, que pode prevenir as dores e a incapacidade física, além de melhorar a qualidade de vida e, por fim, prolongar a vida?

A incapacidade física associada à dor crônica pode estar ligada a diversas mortes no mundo, e compreender essa relação é o caminho a ser buscado por todos que sofrem com as dores nas costas.

"A dor crônica está associada à depressão, e quando essa dor crônica é na coluna, a incidência da depressão aumenta alerta um estudo realizado no Reino Unido (https://youtu.be/Tzew11O0F0s)."

A maioria dos pacientes, quando dispõe das explicações corretas sobre as suas dores nas costas, podem SE tratar com sucesso, ficando livre das suas limitações e dores de forma segura, sem remédio ou cirurgia.

A palavra chave de um tratamento de sucesso e eficaz para dores nas costas é EDUCAÇÃO. Educação sobre as causas corretas, educação sobre o exercício específico e postura e, educação sobre prevenção.

Ninguém tem que viver com dor nas costas.

Dr. Abnel Alecrim, Fisioterapeuta, Especialista em Reabilitação Musculoesquelética e Esporte, Campinas, SP, Brasil.

Saiba mais: Fisioterapia Avançada Método Mckenzie

Deixe seu recado:

Travesseiro Regulável Nipponline

Entre em Contato

(19) 3308-6330

Segunda à Sexta das 8h às 18h.